O Quisisana de Mario Morgano

Mario Morgano Na metade do século XIX desembarcava em Capri um médico britânico. Ele se chamava George Sidney Clark e estava convencido de que o clima da ilha, suave e mediterrâneo, fosse rico de virtudes para a saúde.
Decidiu então se estabelecer em Capri e construir uma clínica em uma das áreas mais reparadas e ensolaradas da ilha. A nova casa de cura recebeu o nome de "Quisisana", que em português significa "lugar de gente saudável".
No entanto ele tinha se enganado e Capri não era o lugar ideal para os seus pacientes: era mais uma meta para turistas e, por isso, aos poucos, o sanatório de Clark foi se transformando cada vez mais em uma pensão, até quando, em 1861 foi oficializada a mudança: não mais sanatório mas hotel. Naquela época se pagava o valor de sete ou oito liras por dia. O doutor Clark faleceu e o Quisisana continuou sob administração da mulher Anna e seus filhos, que no entanto não estavam a altura da situação e por isso o venderam a um jovem e ambicioso mordomo Federico Serena, que viria a ser também Prefeito de Capri.

Com Serena o hotel foi ampliado e foi contruída uma grande ala no lado oeste. Durante as escavações para ampliação do hotel, foram descobertos ossos de dinossauros do período Quaternário. Esse material, ainda hoje conservado no local da fundação Cerio, são uma prova da presença em Capri de animais provenientes da terra firme e indicam, consequentemente, uma primitiva união a península Sorrentina.

O Quisisana possui uma sólida fundação! Capri se transforma em uma das mais frequentadas metas turísticas e o hotel vive um dos seus primeiros momentos de esplendor. Toda a nobreza da época vinha ao Quisisana e, entre os mais ilustres do passado estavam Friedrich Krupp, o magnata alemão do aço, que para ter um acesso direto entre o Quisisana e os seus yachts Maya e Puritan atracados em Marina Piccola, mandou construir a famosa Via Krupp. Esta é certamente a melhor lembrança que Krupp deixou para Capri, uma maravilhosa estrada entre as rochas de Marina Piccola, ao lado dos jardins Krupp. Obras que ilustram como o dinheiro proveniente das armas nem sempre provocam destruição!
Em 1913, após uma longa doença, Serena falece e deixa a administração do hotel para os filhos e à viúva. Após poucos anos, no entanto, o Quisisana vive um momento difícil e os Serena foram obrigados a vendê-lo. Em 1918 foi comprado pela SIA, Società Immobiliare Alberghi, que se transformará com o tempo na Società Italiana Alberghi. Nenhum habitante de Capri entre os acionistas, que naqueles anos e precisamente em 1929 teve o teatro projetado e construído pelo famoso arquiteto Giò Ponti. No início dos anos sessenta a SIA foi comprada por Felix Mechoulam, um financista mexicano, que restaurou e reformou o interno do Quisisana transformando-o novamente em um hotel digno de receber clientes de alta classe. Mechoulam fez obras ousadas que melhoraram os ambientes do hotel.

Via Camerelle onde anteriormente ficavam as portas de serviço do hotel se transformou na rua das lojas mais elegantes de Capri, uma pequena Via Condotti.

Na metade dos anos setenta o hotel passa para as mãos de Max Grundig, o magnata alemão dos eletrodomésticos. Também Grundig fez melhorias, principalmente nas áreas internas (lavanderia e cozinha) sacrificando, no entanto, metade do teatro.

O estuque se "mudou" para os salões do Quisisana. Em 1981 Grundig decide vender e assim no ano seguinte, em 1982, no Quisisana entrou a família Morgano, finalmente um habitante de Capri!
Hoje, o Quisisana é um dos símbolos de Capri, reconhecido em todo o mundo. Soberanos, atores, escritores, empresários, cantores passaram por aqui. De Ernest Hemingway a Tom Cruise, de Sidney Sheldon a Gianni Agnelli, dos Savoia aos Hohenzollern, e também Claudette Colbert, Jean Paul Sartre, Harry Graf Kessler, Pietro Gadda Conti, William Somerset Maughan, Ted Kennedy, Gerarde Ford, Sting. Não podemos esquecer de políticos italianos como Andreotti e Berlusconi e no mundo do espetáculo personalidades como Sordi, Proietti, Carla Fracci, Claudia Cardinale, Dino e Aurelio De Laurentiis... o elenco dos famosos que já se hospedaram no Quisisana não cabe nesta página!

Ele pode receber até trezentas pessoas, além dos mais de 200 funcionários. É quase uma cidade!
Existem três restaurantes: o Quisi e ao redor da piscina La Colombaia. Existe o ''QuisiBeauty'', centro estético entre os mais lindos e bem equipados, com academia de ginástica, sauna, salão de beleza, piscina coberta e dois campos de tênis a disposição dos clientes. A charmosa piscina ao aberto com ampla área solarium é o lugar onde são realizados os eventos de maior destaque, de casamentos até eventos de sucesso. O teatro se transformou em um verdadeiro salão de festas. Após 160 anos, o Quisisana continua a destacar-se entre os Top Hotéis do mundo, mérito e satisfação dos Morgano, que o transformaram finalmente em "caprese". É obra de Pina e Mario Morgano e dos seus filhos, que continuam a tradição e a missão de conservar em Cari o Quisisana, um verdadeiro ''tesouro''.